Ir para o conteúdo
ou

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Balanço do emprego formal em maio é negativo em Pelotas e Rio Grande

22 de Junho de 2017, 12:11 , por OBSERVATÓRIO SOCIAL DO TRABALHO - 0sem comentários ainda | 2 pessoas seguindo este artigo.
Visualizado 14 vezes

O balanço do emprego formal em maio de 2017

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho (MTb), em maio de 2017, ocorreram em Pelotas, conforme a Tabela 1, 2.076  admissões e 2.342 desligamentos, o que resultou em um saldo negativo de 266 empregos formais celetistas. Observa-se, pois, uma taxa de variação de -0,43% em relação ao estoque do mês anterior. Esse desempenho foi melhor do que o de maio de 2016, quando o saldo, também negativo, foi de -602 vínculos.

Em Rio Grande, conforme a Tabela 2, ocorreram 1.245 admissões e 1.344 desligamentos, resultando em um saldo negativo de -99 vínculos formais, o que corresponde a uma taxa de variação de -0,24% em relação ao estoque do mês anterior. Esse desempenho foi pior do que o de maio de 2016, quando o saldo foi positivo, de +60 vínculos formais de emprego.

Comparando-se a conjuntura local com a conjuntura nacional e estadual, constata-se que maio foi um mês com desempenho mais desfavorável, com saldos negativos nos municípios de Pelotas e Rio Grande, bem como no Estado do Rio Grande do Sul. No conjunto do país, o saldo da movimentação de empregos formais celetistas foi positivo. No Rio Grande do Sul, conforme a Tabela 3, ocorreu saldo negativo de -12.360 vínculos, o que corresponde a uma taxa de variação de -0,48%. No Brasil, o saldo positivo resultou na criação de 34.253 novos vínculos formais de emprego, o que corresponde a uma variação de 0,09% em relação ao estoque do mês anterior.

O balanço do emprego formal no acumulado do ano

O balanço da movimentação do emprego formal celetista no acumulado do ano foi positivo apenas no país e no Estado do Rio Grande do Sul. O Brasil apresentou um saldo de 48.543 vínculos formais de emprego e uma variação de 0,13%. No Estado, o saldo foi  de 10.363 vínculos formais de emprego, sendo a variação de 0,41%. Pelotas apresentou perda de 571 vínculos e uma taxa de variação de -0,91%. Rio Grande apresentou perda maior, foram -604 vínculos e a taxa de variação de -1,45%.

O balanço do emprego formal nos últimos doze meses

O balanço da movimentação do emprego formal celetista nos últimos doze meses mostra-se bastante negativo em todos os níveis geográficos analisados, destacando-se o péssimo desempenho de Rio Grande. Em Pelotas, constata-se que houve uma perda acumulada de 1.405 empregos formais celetistas em relação ao estoque de maio de 2016, o que corresponde a uma taxa de variação de -2,21%. Em Rio Grande, a perda foi bem mais elevada, de 5.558 vínculos, correspondendo a uma taxa de variação de -11,94%.

Esse desempenho negativo nos últimos doze meses é igualmente observado no conjunto do país e no Estado do Rio Grande do Sul. No Brasil, registram-se 853.665 empregos formais perdidos, o que corresponde a uma taxa de variação de -2,18%. No Rio Grande do Sul, foram 40.623 empregos formais celetistas perdidos, o que corresponde a uma taxa de variação de -1,57%.

O balanço setorial do emprego em Pelotas

No mês de maio de 2017, a construção civil (+4 vínculos) e os serviços (+103 vínculos) foram os únicos setores que apresentaram saldo positivo. Os setores que mais contribuíram para que o saldo do emprego fosse negativo, foram a indústria de transformação (-230 vínculos), comércio (-96 vínculos) e agropecuária (-42 vínculos). No acumulado do ano, os setores com saldos positivos foram igualmente os serviços (+387 vínculos) e a construção civil (+33 vínculos). Todos os demais registraram perdas, sendo a indústria de transformação com o pior saldo (-720 vínculos), seguida pelo comércio (-240 vínculos).

No período de doze meses, o cenário é bastante negativo, com perda generalizada de empregos formais. Nesse quadro, destacam-se os desempenhos negativos da indústria de transformação (-456 vínculos), do comércio (-436 vínculos), da construção civil (-357 vínculos) e dos serviços industriais de utilidade pública (-178 vínculos).

 

O balanço setorial do emprego em Rio Grande

No mês de maio, destacam-se os desempenhos negativos dos setores de comércio (-122 vínculos) e de serviços (-54 vínculos). A indústria de transformação apresenta saldo positivo pela quarta vez no ano (+111 vínculos).

No acumulado do ano, o comércio (-451 vínculos) e os serviços (-316 vínculos) destacam-se como os setores com saldos negativos mais elevados. Nos últimos doze meses, somente a indústria de transformação perdeu 4.464 vínculos formais de emprego. Dentre os demais setores que apresentaram saldos negativos, destacam-se os serviços (-683 vínculos) e o comércio (-257 vínculos).

 

Nota metodológica:

Os dados do CAGED referem-se apenas à movimentação dos empregos formais celetistas registrados, declarados pelos estabelecimentos ao Ministério do Trabalho (MTb), estando excluídos os empregos públicos estatutários e os empregos e ocupações informais. É importante sublinhar, ainda, que estes dados estão sujeitos a ajustes, tendo em vista as declarações realizadas fora do prazo regular.


Fonte: http://wp.ufpel.edu.br/observatoriosocial/2017/06/22/balanco-do-emprego-formal-em-maio-e-negativo-em-pelotas-e-rio-grande/

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.